domingo, 28 de novembro de 2010

I Torneio Aberto DC Shopping de xadrez - 5º lugar


Uma sobrevida para o xadrez no Rio Grande do Sul. Mais um grande torneio foi realizado nesse sábado em Porto Alegre e contou com a presença de 49 enxadristas de várias cidades gaúchas. Ainda pela frente temos esse ano o Campeonato Aberto e o Torneio Natalino Relâmpago do MXC, o Torneio Aberto de Natal do Grêmio Náutico União e o II Torneio Aberto da Cidade de Dois Irmãos. Um fim de ano agitado em solo gaúcho.

No DC Navegantes tivemos uma grande surpresa. O campeão do torneio não foi Eduardo Munoa, Felipe Menna Barreto, MF Luiz Ney e nem mesmo o temível Ivan Boere, como muitos poderiam supor, mas sim o enxadrista de Santa Maria Guilherme Genro (1920 CBX).


Guilherme Genro - Campeão do Torneio e Vinicius Eltz

Guilherme empatou na última rodada com Luiz Ney, garantindo o título depois de ter vencido Boere, Munoa e a mim na terceira rodada numa partida, diga-se por passagem, lastimável. Jogamos uma Benoni na qual eu, jogando de brancas, garanti uma boa vantagem desde os primeiros lances da abertura e após um ataque equivocado por parte do meu adversário minha vantagem ficou decisiva. No entanto, no final da partida, quando já estava esperando que meu adversário se rendesse, acabei levando um golpe daqueles que a tempos não tomava. A posição era mais ou menos essa:
Eider Cruz x Guilherme Genro

Nessa posição eu joguei o infeliz 1. Ta3??? quando o simples Cd2 segurava toda a ala do rei e a vitória não tardaria a chegar. O golpe que levei foi bonito 1. ... Dxf3+ que leva mate forçado pela ameaça de Tb1+. Nessa hora me senti como Nakamura nesse vídeo que de tão trágico chega a ser cômico:




Antes dessa partida havia vencido o Jairo Luz na primeira rodada e na segunda, numa partida que sofri um trauma similar ao da partida jogada contra o Guilherme, venci o Abrão Spritzer. Na quarta rodada ainda meio abalado pela derrota anterior, enfrentei Leandro Castro, uma das melhores amizades conquistadas nesses anos de xadrez. Nossa partida foi boa, Leandro sacrificou duas peças pela torre e obteve um bom ataque como compensação, mas depois que o ataque foi segurado, consegui vencer a partida graças a vantagem material.

Na quinta rodada venci Vinicius Eltz e na sexta venci Márcio Camargo que no torneio mesmo me conseguiu o Livro do Bronstein sobre o torneio de candidatos de 1953. Um dos livros mais elogiados na história da literatura enxadrística.


Na última e decisiva rodada enfrentei de brancas Felipe Menna Barreto numa Índia de Dama. A partida ia tranquila até o Felipe resolver complicar as coisas com um d5 e após algumas trocas forçadas, entramos num final de torre em que o Felipe, bem ao estilo Capablanca dessa vez, conserva uma pequena vantagem e como num passe de mágica ganha forçadamente um peão e eu tive que lutar desesperadamente pelo empate. Fui vitorioso nessa tarefa porque o peão que o Felipe tinha a mais era o da torre e na ala do rei tínhamos 3 contra 3. Felizmente minha torre estava muito bem colocada por trás do peão passado, garantindo o empate que a essas alturas já era sustentado pelos séculos de teoria. Mesmo assim não foi nada fácil, pois eu tinha apenas 1min e meio no relógio e o felipe contava com 12, então as chances de eu cometer algum erro ali eram bastante grandes, mas pude jogar rápido e bem e assim conservar o empate.

Felipe Menna Barreto e Eider Cruz

Com 5,5 pontos em 7 possíveis fiquei em 5º lugar no torneio, empatado em pontos com Felipe e Luiz Ney. Tirando a tragédia da terceira rodada, o torneio para mim foi excelente em todos os quesitos. Organização, espaço e cumprimento dos horários estipulados pelo folder. Parabéns aos organizadores e idealizadores do evento!

Para finalizar, foto com todos os premiados:




Informações completas e fotos!

That's all Folks!

sábado, 27 de novembro de 2010

Torneio Aberto da AABB - Vice-campeão!


Dessa vez o torneio foi num sistema diferente. A primeira fase consistia em um sistema suiço de 5 rodadas no qual classificavam-se os quatro primeiros colocados para jogar a semifinal (1º x 3º e 2º x 4º) e final em 4 partidas de 5min. Ou seja, quem chegasse a 2,5 pontos vencia o match.

Na primeira fase a classificação geral ficou Eduardo Munoa em primeiro, Eu em segundo, Mário Fabris em terceiro e Fábio Goetz em quarto. O que não mudou nada depois dos Matches:

Semifinal

Eduardo Munoa 3 x 0 Mário Fabris
Eider Cruz 3 x 0 Fábio Goetz

Final

Eduardo Munoa 2 x 2 Eider Cruz
Armagedon - 0,5 x 0,5


Disputa 3º Lugar

Mário Fabris 2,5 x 0,5 Fábio Goetz

Fábio Goetz e Mário Fabris, Novembro 2010

Para quem não sabe, o Armagedon consiste em uma partida de 6min para as brancas e 5min para as pretas, com a vantagem do empate para o segundo jogador. Saí da abertura com uma pequena vantagem, mas depois que o Munoa por desatenção trocou duas peças pela minha torre, minha vantagem ficou muito grande. No entanto, após eu ter perdido um 31. Cd7 matador depois do cheque de torre no fundo, meu adversário tomou as rédeas da partida e não me deu mais chance. 31. Cd7 além de ameaçar a torre de b6, ameaçaria Cf8+ seguido de Cg6+ e Th8 mate, o que faz com que as negras sejam obrigadas a trocar a torre pelo cavalo ficando com peça a menos sem compensação alguma. Eis o vídeo da partida:

video


Depois dessa partida fui direto pra rodoviária encontrar minha namorada para irmos ver o show do Paul McCartney no Morumbi, já que não conseguimos os ingressos para assistir aqui no Beira-Rio. O show foi simplesmente indescritível, algo que vai ficar marcado pra sempre na minha memória. Compartilho com os amigos um vídeo com as primeiras músicas tocadas no show. Eletrizante:

video


É isso ae por ora pessoal!
Abraços!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Torneio Aberto Cidade de Dois Irmãos - Campeão!

Realizou-se no dia 13 de novembro o Torneio aberto cidade de Dois Irmãos. Acabei saindo campeão com 4,5 em 5, empatado em todos os critérios com Eduardo Munoa. É importante salientar a presença no torneio da gurizada - do sub 10 ao sub 18 - provinda de várias escolas da região, o que dá ainda esperança de um bom futuro para o xadrez gaúcho. Um exemplo é o jogador de apenas 8 anos de idade, José Pedro Costa Curta que já vem a um bom tempo acumulando títulos na sua categoria. Eu joguei com ele na primeira rodada e não foi nada fácil. O guri é cheio de idéias.

José Pedro Costa Curta x Eider Cruz
Dois Irmãos, 2010

Na segunda rodada enfrentei o enxadrista de Dois Irmãos Maikon Diel e na terceira enfrentei o amigo Natan numa partida muito curiosa, em que, embora eu tivesse vantagem no centro de peões, o meu rei se encontava desconfortável no centro. Mas mediante algumas trocas consegui aliviar a tensão e meu adversário abandonou antes que eu realizasse a vantagem.


Nessa posição eu joguei 1. ... Txe3 e após 2. Txe3 Db6 seguido de 3. ... Bc5 entrando num final com grande vantagem.

Na quarta rodada joguei com João Carlos Orguim, o árbitro oficial dos eventos muito bem organizados do Metrópole Xadrez Clube. Joguei uma Catalã e pude aproveitar bem a vantagem em espaço na ala da dama. Na quinta rodada joguei com Eduardo Munoa e após um meio jogo conturbado pra mim pela vantagem do par de bispos do meu adversário e um mate em 1 que ele deixou passar (o que é muito raro acontecer!) consegui segurar o empate no final. Acredito que a posição mais crítica da partida tenha sido essa:


Nessa posição meu adversário resolveu sacrificar um peão para abrir linhas para seus bispos com 1. e4 fxe4 2. fxe4 Cxe4 agora é interessante a variante 3. Bd5 Cxd2 4. Txe7 Cxb3 5. Bxb3 com boa vantagem pro branco. Munoa escolheu jogar 3. Bf4 e após Cdf6 as pretas continuam em maus lençóis, mas com chances de oferecer maior resistência.

Eduardo Munoa x Eider Cruz
Dois Irmãos, 2010


Maiores informações, resultados e muitas fotos:

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Semifinal do Campeonato Brasileiro Absoluto



Foi em São Paulo dessa vez a empreitada. Ainda não conhecia a cidade pessoalmente e acabei tendo uma surpresa muito boa. Viajei pensando que veria aquilo que nos mostram na televisão: congestionamento, estresse, helicópteros da polícia seguidos pelo Datena, nuvens de poluição, etc. Ou seja, uma cidade feia. Claro que fiquei restrito somente ao centro da cidade e que estávamos no meio de um feriadão e a cidade que vi não deve ser a mesma do dia-a-dia dos paulistanos, mas pelo menos pude perceber mais uma vez o quanto a televisão distorce os fatos e as imagens ao seu bel prazer. O que vi foram vias amplas e bem arborizadas, prédios e fachadas históricas, praças gigantescas que a vista não alcança onde termina e o mais incrível de tudo: a limpeza das ruas que causariam inveja a qualquer Porto Alegrense. Uma cidade onde eu moraria.

Do torneio fui sem saber muito o que esperar. Sabia que iria enfrentar jogadores muito fortes e desconhecidos pra mim - o que era uma desvantagem. Por outro lado eu devia ser o jogador mais desconhecido do torneio, já que raramente viajo para fora do RS para jogar e isso com certeza é vantajoso. Muito diferente do que é minha vida enxadrística em Porto Alegre. Gostaria de ter me preparado melhor na semana anterior ao torneio, no entanto a correria de faculdade, bolsa e as aulas de inglês que leciono, não me deixaram muita abertura para tal. O que eu pude fazer foi dar uma estudada breve nos meus adversários e verificar algumas linhas do meu repertório de aberturas (que não é muito brilhante, diga-se por passagem). O bom foi que fui para Sampa um dia antes do torneio e nesse dia então pude me concentrar e me preparar com mais calma.

O torneio, no geral, foi bom pra mim. Tirando os empates nas duas primeiras partidas que me fizeram começar perdendo bastante rating. No primeiro empate quase que não teve jogo. Joguei uma variante que há mais ou menos cem anos todos sabem que leva a empate e não deu outra. No segundo empate fiquei ganho após ter encaixado o b4, mas com muitos erros e muitos lances que muito bem mereceram interrogação tripla, acabei cedendo o empate. Uma pena.

Depois desse primeiro dia desastroso, tive que ter muita calma para que a lembrança dos resultados negativos não me afetassem psicologicamente. Na terceira partida peguei o jogador goiano Marceley e após ter saído com vantagem na abertura e contando com alguns erros do adversário, venci a partida num ataque de mate. Com dois em três já fiquei com mais ânimo e apesar que ainda estivesse perdendo rating, eu ainda continuava vivíssimo no torneio. Na quarta rodada peguei o classificado para final MF Bolivar (2286). Preparei bem abertura e acredito ter saído com vantagem, mas após o infeliz Te4 eu entro em complicações desnecessárias que dão vantagem pras negras. Nesse momento d6! ou Ca2 eram boas opções. No final pensei que eu poderia tirar algo da partida pelos peões passados em "d" e em "a", mas apurado no tempo, não percebi o leão f passado do meu adversário que derrubou o meu monarca.

Eider Cruz x MF Bolivar
Semifinal Brasileiro 2010


Na quinta e sexta rodadas vieram duas vitórias que me colocaram de volta no torneio. Na quinta contra o Ricardo Shutt (2143), numa siciliana muito estranha. Nunca tinha jogado contra 7. Df3, então tive que gastar bastante tempo na abertura, no entanto fiquei com uma boa posição e após um sacrifício equivocado do meu adversário, obtive uma posição vencedora, mas não sem susto, pela eminência do ataque na minha ala do rei com o a ameaça de g4. O bom é que ali eu tinha um Th8 na manga e fiquei tranquilo.

Na sexta partida veio a vitória que me valeu o torneio. O MF Aranha (2299) veio preparado pra enfrentar a mesma variante que joguei contra o MF Bolivar, desviando no quinto lance. Novamente tive que gastar bastante tempo na abertura em busca da melhor idéia e acabei achando, se não a melhor idéia, uma bem prática. Com e3-Ce2-Cc3-Bc4 e Td1 fiquei com uma posição muito segura e após algumas perdas de tempos do meu adversários (Th6-Tb6) venci a partida quase que naturalmente.

Logo após a sexta rodada pedi para tirar uma foto com a Bicampeã Brasileira 2009-2010 Vanessa Feliciano. O MF Aranha estava por perto e falou em tom de brincadeira, Não pode não, você acabou de vencer o mestre dela.

Vanessa Feliciano
MF Aranha à esquerda da foto.

Aproveitei também para tirar foto com o GM Fier e o MI Everaldo Matsuura.

GM Fier


MI Everaldo Matsuura

Depois da vitória na sexta rodada e do intervalo para as fotos, fui pra última rodada com chances muitos grandes, caso vencesse, de ficar entre os primeiros colocados do torneio. Teria sido uma façanha e tanto. No entanto, o MF Frederico Matsuura (2313) estava comandando as peças adversárias e venceu muito bem a partida, com sacrifício e tudo. O meu erro, novamente, foi não analisar a posição com objetividade, depois que senti a vantagem de espaço na ala do rei do meu adversário me preocupei excessivamente em me defender. No entanto, minhas peças estão bem articuladas no centro e eu conto com um cavalo bem colocado em d5, o bispo bem colocado na diagonal a8-h1. Ou seja, tudo pra oferecer uma boa resistência e inclusive pensar em colocar problemas para meu adversário. Mas não confiei no potencial da minha posição. O lance que inicia a derrocada é Te8. Ali já me preocupava em efetuar lances como Bf8 ou Cf8 pra segurar a ala do rei. Nesse momento um tranquilo Bb7 e Ta8, me conferiria bom jogo.

Com essa derrota fiquei apenas em 25º no torneio, empatado em pontos até o 15º, mas perdendo nos critérios de desempate. Foi uma boa experiência e foi um termômetro pra medir minhas possibilidades de agora em diante. Foi recém meu terceiro torneio FIDE e pude ganhar mais alguns pontinhos de rating.

Logo após o termino da última rodada, eu e o Rodrigo Borges fomos direto para o aeroporto pra aproveitar o ônibus que estava saindo rumo a Guarulhos e passamos a noite lá esperando o nosso voo. E depois de uma pizza sensacional e alguns pings cambaleantes acompanhados a cerveja, tivemos uma longa espera. Nessa espera já deu pra dar uma olhada nas partidas e analisar as besteiras que fizemos no aeroporto mesmo.


Guarulhos - novembro 2010


Links importantes

Emparceiramentos e resultados completos:

Visualizador com todas as partidas:



Nos próximos posts pretendo analisar algumas partidas jogadas na semifinal.
Abraço a todos!